Motoristas gentis e com empatia são elogiados na web

Luciano

Ser recebido com um cumprimento ou até mesmo um sorriso simpático pode fazer toda a diferença no dia de alguém. Pode ajudar a enfrentar a dura rotina de trabalho ou estudos com mais leveza. Para os usuários de ônibus da capital, a gentileza e empatia dos motoristas do transporte coletivo são de grande valor e foi isso que gerou uma corrente de elogios em uma página no Facebook.

Tudo começou com duas amigas que iam visitar outra amiga no bairro Altos do Parque, em Cuiabá, lugar que não conheciam. Ao entrarem no ônibus da linha 615 se depararam com o simpático motorista Luciano Marcondes Rondon, 43 anos. “Ele cumprimentava a todos e sorria, nos explicou onde desceríamos e o rumo correto para onde a gente deveria ir”, relatou a passageira Pamela Bueno.

Horas depois as amigas estavam de volta à procura do ponto de ônibus. “Vi que elas pareciam perdidas, parei o ônibus e falei para elas subirem”, lembra o motorista que garante ajudar sempre que pode. A atitude, tão normal para Luciano, chamou a atenção de Pamela que decidiu publicar uma mensagem elogiando o motorista “super educado e atencioso” com cada um dos passageiros que pegava. “Se todos os motoristas fossem assim, o mundo seria melhor”, escreveu no post.

Três minutos depois, várias pessoas começaram a se manifestar parabenizando Pamela pelo reconhecimento às boas atitudes do motorista, com elogios ao Luciano e a tantos outros motoristas gentis e dedicados. “Não imaginei que iria repercutir tanto. Descobri o nome dele e resolvi postar pela forma como agiu com a gente e com outras pessoas também. Postei de coração”, relatou Pamela.

Moradora do Pedra 90, Pamela é usuária frequente da linha 711 e relata não estar acostumada a ver bons tratamentos por parte dos motoristas. “A gente se surpreende quando vê algo assim, dá para contar nos dedos os motoristas atenciosos. Como as pessoas costumam mais reclamar, resolvi fazer diferente e elogiar”, contou.

À nossa equipe, Luciano disse que soube da publicação por meio de outros passageiros e achou tudo muito legal.

Motorista recebe elogios de colegas e passageiros 

A reportagem foi até a garagem onde o motorista trabalha para conhecê-lo. E tanto os colegas de trabalho quando os passageiros foram unânimes sobre Luciano: “ele é muito gente boa”. São sete anos como motorista, mas antes disso ele era cobrador. Com a extinção do cargo, Luciano se adaptou melhor à profissão. “Tirei a carteira de motorista, comecei na manobra e depois fui para a linha. É bem tranquilo para mim”, garante ele que já foi servente de pedreiro também.

Luciano conhece os passageiros pelo horário que pegam o ônibus e chega a procurar se algum não estiver dentro do horário e dirige até mais devagar para dar tempo ao atrasado. “Todos temos horários programados e se a pessoa perde fica mais difícil, ainda mais porque é o único meio de transporte dela”, pondera.

Pai de quatro filhos e casado, Luciano conta que gosta do horário de trabalho por poder ter tempo de ficar com a família. “Dá para conciliar bem”, resume ao falar que faz cinco viagens na linha 615 sentido bairro Altos Parque – Centro, que tem 33 paradas partindo do ponto final e terminando em Praça Bispo Dom José, entre as 14h20 e 22h20 da noite.

O motorista ressalta que para atender bem aos seus passageiros ele pratica tudo o que aprende nos cursos de capacitação e destaca a importância de sempre agir bem com o próximo. “Mesmo que alguém me trate mal, eu trato bem; se reagir do mesmo jeito, é pior. Até porque tudo o que você faz de bom retorna para você mesmo”, afirma.

Realização de um sonho e muita simpatia, esse é Isaias

Isaias Gregório de Campos, 46 anos, também foi elogiado por usuários no post de Pamela. Motorista da linha 756 que atende o bairro Jardim Primavera, em Várzea Grande, ele foi elogiado por uma passageira como sendo um ótimo motorista. “Atencioso principalmente com os idosos! Merece todo o respeito”, escreveu a jovem. Lá no Terminal André Maggi, o responsável por fiscalizar as chegadas e saídas confirmou: “A marca dele é o sorriso. Está sempre de bem com a vida”, disse à reportagem.

A timidez era perceptível, mas assim que iniciou o seu trajeto, Isaias se tranquilizou e contou que a profissão era a realização de um sonho que vive há 10 anos. “Era cobrador e aproveitei a oportunidade e abracei com toda a força. Era meu sonho”, admite. E o trabalho é intenso. Às 3h30 começa o dia de Isaias que vai até 12h30. Em alguns dias da semana ele entra uma hora mais tarde e ganha uma folga na semana e garante: “É uma rotina tranquila, com escala e tudo”.

Os mais de 12 anos como cobrador e motorista trouxeram bastante experiência com os passageiros. “Quando a gente está em uma linha há bastante tempo, a gente se acostuma com as pessoas e é melhor de trabalhar”, afirma. E o bom humor ele atribui à convivência e relação que é mantida diariamente com os colegas de trabalho e passageiros. “Já é um trabalho estressante, então é melhor que seja com simpatia, com cuidado e gentileza”, pontua.

Sobre o cuidado com os idosos, o motorista se põe alerta principalmente no período de pagamento, em que os velhinhos andam mais e ele sabe disso por conta da própria mãe. “Tem que ter atenção, porque eles têm dificuldade de se movimentar. Mulher com criança é a mesma coisa, a gente espera ela se sentar e vai. Já estive do outro lado também e sei como é difícil”, reconhece, ele que é casado e tem três filhos.

Dificuldades do dia a dia

As dificuldades no trabalho são pontuais para Isaias. “As estradas não ajudam por causa dos buracos, o que requer mais cuidado ainda. Também tem o trânsito que é bastante estressante. Lidar com pessoas não é fácil, mas a gente tem que saber relevar”, diz.

Certa vez o motorista se deparou com uma passageira muito nervosa que o xingava e o destratou. “Perguntei e ela o que era e ela disse que no outro dia eu tinha saído sem esperar por ela, mas eu não a tinha visto. Ela nem me cumprimenta mais, fazer o quê? Acontece”, lamenta.

Contudo, Isaias mantém sua simpatia e se mostrou bastante lisonjeado ao saber do elogio que recebeu nas redes sociais. “Eu conheço ela, a mãe, o pai dela estava doente”, disse sobre a passageira que publicou a mensagem.

“Conheço bastante as pessoas e sempre a gente conversa, só nessa linha tenho quatro anos”, relata o cuiabano que também recebe mimos dos passageiros, desde camisas até um café ou lanchinho. “Já ganhei, de uma passageira, bolo de aniversário quando era cobrador É muito bom saber que as pessoas admiram o trabalho da gente”, completa.

Site O Estado de Mato Grosso
VALQUIRIA CASTIL