Cidade ganha três projetos de mobilidade urbana

- Internet

 Pelo menos três projetos de mobilidade urbana serão lançados pela Prefeitura de Cuiabá durante as comemorações dos 298 anos da capital mato-grossense. Um deles é o "Linha Expressa de Ônibus", que inicialmente irá funcionar entre o Pedra 90 e à região central da cidade. 



De acordo com o prefeito Emanuel Pinheiro, a "Linha Expressa" será lançada na próxima segunda-feira (10), às 7 horas. Pela proposta, todo o percurso será feito com apenas uma parada. "Esse é projeto que irá possibilitar maior conforto e segurança e agilidade para os usuários do transporte", acredita. 



Distante da região da capital, o Pedra 90 é um dos bairros mais populosos da cidade e muitos usuários do transporte coletivo reclamam que levam até uma hora entre a espera no ponto de ônibus e a viagem para chegar em casa, escola ou local de trabalho. 



Conforme Pinheiro, a iniciativa também vem de encontro com a proposta de melhorar a qualidade do serviço ofertado no sistema de transporte público para depois poder se falar em reajuste de tarifa. "Sempre lembrando que Cuiabá é a única capital do país que não deu (aumento) tarifa em 2017", frisou. 



PASSARELAS E FAIXAS – No dia 13 de abril, o prefeito faz a entrega da revitalização das passarelas, que ficam na Avenida Fernando Correa, no Coxipó. As duas passagens para pedestres estão sendo recuperadas pela Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) e a intenção é que tenham elevador. "Não sei se haverá tempo suficiente, mas eu determinei que as duas passarelas fossem entregues com elevador para garantir a mobilidade e a acessibilidade da pessoa com deficiência", informou Emanuel Pinheiro. 



Ainda priorizando o pedestre, no dia 18 próximo, a prefeitura lança o projeto "Faixa Cidadã", às 9 horas, na Isaac Póvoas com a Tenente Coronel Duarte (Prainha), centro da capital. "Cheguei a lançar esse projeto quando eu fui secretário de Trânsito e de Transportes Urbanos, na gestão do ex-prefeito Wilson Santos, mas depois foi suspenso", disse. 



A intenção é humanizar cada vez mais o trânsito da capital, consequentemente, reduzir os acidentes, especialmente, com vítimas fatais. "Esse projeto prioriza o pedestre ou o deficiente. Assim que a pessoa botou o pé na faixa e levantou o braço, o motorista é obrigado a parar o veículo", explicou. "Brasília é modelo nessa proposta e nós vamos de forma audaciosa, mas necessária, lançar esse programa em Cuiabá", acrescentou. (JD)